Para o pedido de cidadania de Lale Alatli

Uma dos nossos, Lale Alatli, uma querida camarada, uma ilustre escritora e editora do jornal «I Kokkini» é um dos milhares de imigrantes, a quem o Estado grego basicamente nega a cidadania. O Comitê de Cidadania da Macedônia Central, composto por três membros, recentemente rejeitou o pedido da camarada, com base em uma circular que desconhece a lei e o critério de classe de renda retrospectiva completamente absurdo, desde 2012! Um requisito/condição, com aplicação retroativa ilegal, que -especialmente em meio a uma crise econômica- dificilmente poderia ser cumprido mesmo por um residente deste país.

Apoiamos sinceramente Lale Alatli.

Exigimos a concessão da cidadania grega e a mudança da legislação completamente injusta que priva milhares de pessoas que vivem, trabalham, pagam impostos na Grécia, da oportunidade e dos direitos de cidadania plena.

* Aqui você também pode assinar em apoio à naturalização de Lale Alatli

https://l.facebook.com/l.php?u=https%3A%2F%2Fsecure.avaaz.org%2Fcommunity_petitions%2Fel%2Fmakes_borides_athanasios_mpalermpas_aitese_ithageneias_tes_lale_alatli%2F%3Frc%3Dfb%26fbclid%3DIwAR0D59jN28fFYmjF59S-qOrSKRU_Lft_NHl0svxQjgKqTY80nOr9ZPCzGoo&h=AT1JkMk9veCvyk3Wt6o2pLXjVN_uHvwfVruhx0FM4Vvw12NRF_1ewq53ANl3NjCwmdW_C1zBgzSOsGc7fHK2X-dFdGJnk6VOZ2MVaikoskp1kowRHkD8Gn6JjEeqLywE4GNi

Abaixo estão dois textos, de Chloe Koutsoumbeli e da Thessaloniki Writers Association.

Chloe Koutsoumbeli escreve

Lale Alatli é graduada pelo Departamento de Filologia da Universidade Democritus da Trácia. Frequentou aulas de grego na Escola de Língua Grega Moderna da Universidade Aristóteles de Salónica, onde recebeu um Certificado de Proficiência em Línguas. Ela ensinou grego na Universidade «9 de Setembro» em Izmir e na Universidade Gildiz em Istambul. Em 2010 veio para a Grécia onde ensinou turco no centro de tutoria SPEAK, em 2016 fundou a sua própria empresa privada como intérprete, tradutora e professora. Escreve poemas, contos e ensaios em grego, publicados em revistas literárias gregas, turcas e cipriotas. Traduziu dezenas de livros do grego para o italiano e do italiano para o grego. Uma parte importante de suas traduções diz respeito à tradução de livros de escritores cipriotas para o turco. Ela fez uma contribuição significativa para organizações culturais, humanitárias e ambientais na Grécia e na Turquia.

E AINDA, TUDO ISSO INFELIZMENTE NÃO FOI LEVADO EM CONTA. SEU PEDIDO DE NATURALIZAÇÃO FOI REJEITADO PELO ESTADO GREGO.

A organização representativa baseou sua decisão em recentes resoluções ministeriais e circulares que estipulam que o requerente deve ter uma renda anual, independentemente de imóveis ou capital no banco. A decisão se concentrou apenas nesse aspecto e ignorou todos os demais requisitos que Lale atende. Se Lale não pode obter a cidadania grega, que esperança têm outros com qualificações menos substanciais? Quão injustas e inconstitucionais são essas decisões circulares ministeriais? Uma circular pode ser superior a uma lei que prevê o contrário? Principalmente quando a circular é aplicada retroativamente, ou seja, é considerada a renda do estrangeiro desde 2012, mas não sua situação financeira atual? E o que significa para um estado que se concentra apenas na renda anual de uma pessoa e ignora todos os outros aspectos vitais, como a integração efetiva no país de acolhimento, o forte conhecimento da língua e sua contribuição social?

Os mecanismos de defesa continuam a perseguir e marginalizar os estrangeiros. As pessoas que vivem na Grécia há anos ainda não têm cidadania grega. Os exames são feitos com perguntas ridículas ou muito difíceis que poucos gregos saberiam responder. Decisões ministeriais e circulares orientando comitês de três membros a cancelar entrevistas e rejeitá-las apenas com base na renda anual.

Em um estado inóspito e xenófobo, que esperança Lale e cada Lale têm? E, claro, que esperança todos nós temos?

E o anúncio da Associação de Escritores de Salónica

Lale Alatli, apesar de ser um membro de elite de uma rica comunidade literária na Grécia nos últimos quinze anos, um Comitê de Cidadania de três membros da Macedônia Central decidiu que Lale não pode se tornar um cidadão grego. Isso é insondável, pois sua educação é grega, seu amor pela Grécia e pelas letras gregas é um dado adquirido.

Como Associação de Escritores de Salónica, consideramos a rejeição da candidatura completamente injusta, especialmente porque Lale Alatli é licenciada numa universidade grega, titular de um certificado de língua, totalmente integrada na sociedade grega com fortes ligações culturais e sociais e traduziu livros do grego e ao grego. Suas publicações incluem ensaios, poemas e contos em revistas literárias gregas, turcas e estrangeiras. Tem também participado em conferências e workshops literários e em geral destaca e promove a vida cultural do nosso país.

Pedimos que seu pedido seja ouvido e que lhe seja concedida a cidadania grega, pois nosso país e nossa cultura só se beneficiarão de uma pessoa de tão alto calibre. Lale merece ter um país que abra os braços e a acolha… Que seja nosso.

*Tradutor: Sotiris Minas

**Você pode ler o texto em grego, em ingles, em francês, em espanhol, em italiano, em macedônio, em sérvio, em russo

2 comments

Σχολιάστε

Εισάγετε τα παρακάτω στοιχεία ή επιλέξτε ένα εικονίδιο για να συνδεθείτε:

Λογότυπο WordPress.com

Σχολιάζετε χρησιμοποιώντας τον λογαριασμό WordPress.com. Αποσύνδεση /  Αλλαγή )

Φωτογραφία Twitter

Σχολιάζετε χρησιμοποιώντας τον λογαριασμό Twitter. Αποσύνδεση /  Αλλαγή )

Φωτογραφία Facebook

Σχολιάζετε χρησιμοποιώντας τον λογαριασμό Facebook. Αποσύνδεση /  Αλλαγή )

Σύνδεση με %s